ANÁPOLIS GOIÁS
MADRUGADA SERTANEJA
Atualizado em 08/02/2024 - 12:59

A Polícia Civil quer saber quem são os autores do latrocínio (roubo seguido de morte) que vitimou Rodrigo Borges de Oliveira, de 42 anos, em Anápolis. Os restos mortais do servidor do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) foram encontrados nesta quarta-feira (7) na zona rural da cidade. O corpo do homem estava carbonizado dentro do próprio carro. Até o momento, a Polícia Civil prendeu um suspeito que estava na posse do celular de Rodrigo.

À Rádio São Francisco FM, o delegado Jefferson Matson Nóbrega Silva disse que as investigações começaram quando familiares noticiaram o desaparecimento da vítima. Conforme apurado, Rodrigo não era visto desde a última segunda-feira (5).

“Então, durante diligências investigativas policiais do 3º Distrito Policial conseguiram localizar o corpo da vítima. Os restos mortais estavam dentro de seu veículo carbonizado no setor Monte Sinai”, diz o delegado responsável pelas investigações ao repórter Jonathan Cavalcante.

De acordo com Jefferson Matson, mesmo com os indícios apurados sobre o caso, somente o resultado pericial confirmará se de fato o corpo encontrado é de Rodrigo Borges de Oliveira, que era servidor do Inmetro.

Polícia Civil encontrou o corpo do servidor do Inmetro dentro do próprio carro queimado (Foto: Divulgação/PC)
Polícia Civil encontrou o corpo do servidor do Inmetro dentro do próprio carro queimado (Foto: Divulgação/PC)

Celular encontrado e suspeito preso com apoio do Geic

No local do crime, o celular do servidor do Inmetro não foi localizado. Desse modo, com o apoio do Grupo Especial de Investigação Criminal (Geic), após levantamento de informações a Polícia Civil localizou um suspeito no Conjunto Habitacional Filostro Machado. De acordo com o delegado, o celular da vítima estava com o suspeito que mora em um imóvel utilizado para o comércio de drogas.

Além do celular da vítima, a Polícia Civil apreendeu porções de drogas e uma arma de fogo. Como resultado, o homem responderá pelos crimes de tráfico de drogas, receptação e posse irregular de arma de fogo. No entanto, ainda não existem elementos suficientes que indicam que o preso tenha participação direta no latrocínio de Rodrigo Borges de Oliveira.

“As investigações continuam em sigilo para que a Polícia Civil possa localizar, prender e responsabilizar todos os envolvidos nesse crime bárbaro”, finaliza o delegado Jefferson Matson.

Plantão Policial

Ouça, na íntegra, outros detalhes do latrocínio e de outras ocorrências registradas no Plantão Policial de quarta (7) até o início da manhã desta quinta-feira (8):

Tags

PUBLICIDADE
Whatsapp
Enviar mensagem