ANÁPOLIS GOIÁS
VIGÍLIA FRANCISCANA
Atualizado em 13/06/2023 - 11:46

A cidade de Goiás recebe, desta terça-feira (13) a domingo (18),  a 24ª edição do Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental (Fica 2023). O tema é Cerrado e Amazônia: Dois Territórios, um Só Futuro. O evento terá programação variada e, pela primeira vez, com produções deste ano disponíveis em plataforma de streaming. O Fica é realizado pela Secretaria de Estado da Cultura, Universidade Federal de Goiás e Fundação Rádio e Televisão Educativa.

Maria Rita, Criolo, Orquestra Filarmônica de Goiás, Roberto Menescal e Wanda Sá compõem a programação. O público poderá participar de mostras competitivas, minicursos, oficinas, laboratórios de cinema, homenagens, conferências, mesas de debate, rodas de conversa e tenda multiétnica. Confira a programação completa.

“O tema desta edição trata de dois biomas e de dois territórios conectados que compartilham infinitos e complexos processos nos ciclos climáticos e biogeoquímicos. De maneira muito direta, mudanças na sazonalidade climática tendem a afetar o ciclo da água no Cerrado e a capacidade de retenção para abastecimento das três grandes bacias brasileiras. O que acontecer com o Cerrado afetará radicalmente a Amazônia e vice-versa”, afirma a organização.

Plataforma de streaming

A 24ª edição do Festival Internacional Cinema e Vídeo Ambiental tem novidade: uma plataforma de streaming que permite assistir e votar nos filmes da mostra competitiva. O acesso é gratuito pelo site FicaTv. Na plataforma, estão disponíveis filmes premiados em edições anteriores do festival e as produções selecionadas para o evento deste ano.

Mostras, filmes e shows musicais

Curtas e longas metragens nacionais e internacionais vão competir em três categorias no 24º Fica. Para a Mostra Internacional Washington Novaes, a principal do festival, foram selecionados seis longas-metragens e oito curtas-metragens, sendo seis filmes estrangeiros e oito brasileiros, incluindo três produções goianas.

A Mostra do Cinema Goiano, que será palco de lançamentos de curtas goianos e de revelação de novos talentos da produção audiovisual, vai exibir 14 filmes. Para completar, a Mostra Becos da Minha Terra, que exibe produções da cidade de Goiás, contará com dez obras.

Além disso, um dos filmes ganhadores do Festival de Cannes deste ano terá avant première brasileira. Trata-se do longa A Flor de Buriti, do português João Salaviza e da brasileira Renée Nader, que retrata a resistência do povo Krahô, no norte do Tocantins, que será exibido durante sessão especial, no dia 17, às 20 horas.

O filme Mari Hi – A Árvore dos Sonhos, a ser exibido na sessão especial de abertura, dia 13, às 18h30, é dirigido pelo indígena Morzaniel Iramari Yanomami. Um dos atrativos do Fica são os shows musicais de artistas de renome nacional e internacional. Os destaques são a cantora Maria Rita, que faz show na sexta (16); quando também se apresentará a goiana Banda Madá.

A noite de sábado será animada por show de Criolo, mas antes haverá apresentação da cantora Maduli. No domingo é a vez de Maria Eugênia, Ricardo Leão e Luiz Chaffin abrirem as apresentações da noite de encerramento. Na sequência, a Orquestra Filarmônica de Goiás promete uma apresentação especial, que contará com a participação do músico Roberto Menescal e da cantora Wanda Sá.

Participação de João Moreira Salles

O documentarista e escritor João Moreira Salles também é presença confirmada no Fica 2023. Ele vai participar da conversa Arrabalde: Brasil e Amazônia, dia 17, às 10h30, no Cineteatro São Joaquim. João vai falar sobre a Amazônia, a partir de uma experiência de seis meses vivendo na floresta, no estado do Pará. A vivência resultou no livro Arrabalde- Em Busca da Amazônia, lançado em dezembro do ano passado, pela Companhia das Letras.

Durante a atividade, ele vai falar sobre a Amazônia e, na sequência, participará de um bate papo, que será conduzido pelo cineasta Pedro Novaes, coordenador artístico do Fica. É a primeira vez que Salles participa do Fica.

Homenagens

Durante a cerimônia de abertura do festival, dia 13, será realizada uma homenagem ao indigenista brasileiro Bruno Araújo e ao jornalista britânico Dom Phillips, assassinados dia 5 de junho de 2022, durante uma viagem pelo Vale do Javari, segunda maior terra indígena do Brasil, no extremo oeste do Amazonas.

Na ocasião, serão exibidos vídeos mostrando os homenageados e será lida uma carta escrita pela antropóloga Beatriz de Almeida Matos, viúva de Bruno Pereira, que também é diretora do Departamento de Proteção Territorial e de Povos Indígenas Isolados do Ministério dos Povos Indígenas.

O artista plástico e professor da Universidade Federal de Goiás Carlos Sena é um dos homenageados do Fica 2023. A escultura São Pedro Atendei às Nossas Preces foi escolhida para ilustrar a identidade visual do Fica 2023.

A obra – que dialoga com a temática ambiental por abordar a questão da água, da escassez e da sua importância social – pertence ao acervo do Centro Cultural Universidade Federal de Goiás (UFG) e integrou a exposição individual do artista realizada em 2004, no Museu de Arte Contemporânea de Goiás.

Durante a cerimônia de encerramento do Festival, dia 18, será feita a entrega de um troféu simbólico do Fica a Chico Macedo, que é maquinista e chefe de maquinária de cinema. Com cerca de 25 anos de atuação no audiovisual, ele participou de praticamente todas as produções na retomada do cinema feito em Goiás, a partir de 2000.

 

Tags

PUBLICIDADE
Whatsapp
Enviar mensagem