• Em meio a dúvida sobre decreto, feirantes retornam as atividades nesta segunda Segunda-feira, 03/08/2020 às 14:31:58
    Lucas Almeida
     
    Prevista para funcionarem com revezamento semanal, as feiras em Anápolis amanheceram com funcionamento normal na manhã desta segunda-feira, 3. Em decreto publicado no Diário Oficial de julho, as feiras estariam condicionadas a executar suas atividades uma semana sim e outra não. Nesta semana, seria a vez de não funcionarem, mas de acordo com feirantes do município, o decreto só valeria até o último dia 30.
     
    “Nós somos submissos às autoridades municipais, e houve um decreto do prefeito ao fazer esse escalonamento. Mas o decreto venceu no último dia 30 de julho. Dessa maneira, a omissão e a não publicação de um novo, de tal maneira que a lei não pode ser verbalizada, nós feirantes entendemos que podemos, sim, retornar ao trabalho”, explicou o feirante Edson, em entrevista ao repórter Jonathan Cavalcante.
     
    Desde o início do revezamento, a decisão causa insatisfação tanto aos moradores e também aos feirantes. A ouvinte Rita do Bairro Miguel Jorge disse que não vê necessidade desse revezamento. “Uma vez que os feirantes estão cumprindo o protocolo de segurança. Às vezes vou em uma semana, às vezes em outra”, disse. Ainda de acordo com os feirantes, a dificuldade financeira e o fato de os alimentos serem perecíveis são fatores que influenciam para que o trabalho seja retomado.
     
    Para o Secretário Municipal de Meio Ambiente e Planejamento Urbano, Fabrício Lopes, a decisão dos feirantes não pode ser levada em frente. “Conforme decisão feita em reunião, com os próprios representantes da categoria, o decreto permite o funcionamento uma semana, sim, e uma semana, não. Como na semana passada as feiras estavam funcionando, nesta semana não está autorizado”, ressaltou.
     
    Secretaria Municipal do Meio Ambiente e Planejamento Urbano reforça recomendações
     
    O sistema de rodízio das feiras livres de Anápolis permanece em vigor. O funcionamento está liberado de segunda-feira a domingo, em semanas alternadas. A retomada da atividade de forma contínua é uma possibilidade.
     
    Isso somente após estudos técnicos indicarem que a cidade passou de risco moderado para leve de contaminação pelo novo coronavírus, o que a Prefeitura tem buscado diariamente com a adoção de medidas diversas, entre elas o aumento do número de leitos para pacientes de Covid-19.
     
    É importante destacar, ainda, que apesar de o suposto risco menor de contaminação em feiras livres, por estarem em espaços abertos, a restrição no funcionamento é indicada por não haver ferramentas para controlar o fluxo de pessoas – diferentemente do que ocorre, por exemplo, em supermercados – o que pode resultar em aglomerações.
     
    Sobre a questão de os alimentos serem perecíveis e o rodízio representar prejuízo para os feirantes, vale lembrar que a opção pelo funcionamento em semanas alternadas se deu a partir de conversas com representantes da própria categoria.
     
    Foto: Reprodução