• Pedidos de exames: riscos de compartilhar informações pessoais no Terça-feira, 05/11/2019 às 09:31:49
    Weber Witt 

    Endereço, RG, CPF, data de nascimento, nome completo, contato são algumas das informações que têm circulado livremente nos grupos de pedidos de exames da prefeitura de Anápolis, o ‘Zap’ da Saúde. Número do cartão do SUS, receituários, anamnese de pacientes e até justificativas dos procedimentos podem ser acessados indiscriminadamente por qualquer membro.

    A descrição do grupo Exames 1 orienta a não enviar documentos ou informações pessoais, apenas quando solicitado no privado por um atendente. Recomendação reforçada pela operadora Maria. “Não é necessário mandar fotos dos exames. Solicite atendimento que vou chamar no privado”, responde, por diversas vezes. Indicações que, no entanto, não têm sido seguidas no dia a dia.

    De posse de informações pessoais, uma infinidade de fraudes podem ser cometidas por um criminoso. Alguém mal-intencionado pode, por exemplo, se passar por outra pessoa para obter vantagens. A Rádio São Francisco consubstancia a orientação: não envie fotos de documentos ou informações pessoais. Solicite atendimento e aguarde um dos 50 servidores pedir dados complementares, se for o caso.

    1 tentativa de fraude a cada 16 segundos
     
    Segundo indicador da Serasa Experian, somente em 2017 foram 1,96 milhão de tentativas de golpe registradas, alta de 8,2% comparado ao ano anterior. O principal alvo dos fraudadores foi o setor de telefonia, com 716,86 mil tentativas, 36,5% do total. Nesse segmento, os criminosos usam dados de consumidores para abrir contas de celulares e comprar aparelhos, por exemplo.
    De acordo com a Serasa, as tentativas de fraude mais aplicadas foram: compra de celulares com documentos falsos ou roubados; emissão de cartões de crédito; financiamento de eletrônicos; abertura de conta em banco; compra de automóveis; e abertura de empresas, que podem servir de fachada para a aplicação de golpes no mercado.

    Foto: reprodução