• Especial Vacinação | A importância de se vacinar em cada fase da vida Quarta-feira, 09/10/2019 às 15:11:11

    Lucas Almeida

    A Rádio São Francisco iniciou nesta semana uma série de matérias sobre vacinação. Na manhã desta quarta-feira, 9, o assunto foi a importância da vacina em cada fase da vida. O médico da família e especialista em geriatria Jean Paulo Roriz, alertou sobre a necessidade de discutir o tema, uma vez que o Ministério da Saúde tem um calendário de vacinação específico para recém-nascidos e crianças, bem como para pré-adolescentes e adolescentes, adultos, idosos; e ainda para gestantes.

    Ao repórter Evaristo Pereira, o médico afirmou que há um descuido das pessoas após a fase da infância, e que apenas por meio da informação é possível conscientizar a população sobre a importância da vacina em outras fases da vida. “A gente tem que ter essa preocupação em todas as fases da vida. É claro que o sistema imunológico, às vezes, está mais fragilizado, principalmente na infância e quando estamos idosos, mas nas outras fases também devemos ficar atentos”, explica o médico.

    Em relação a carteirinha de vacinação, o Ministério da Saúde recomenda, em caso de perda, ir até uma Unidade Básica de Saúde mais próxima e conversar com o médico sobre o ocorrido. Somente o especialista poderá avaliar a situação e encaminhar para a reaplicação das vacinas necessárias. O especial de entrevistas continua nesta quinta-feira, 10, com o tema Movimento antivacina é uma das dez ameaças para a saúde. Sintonize 97,7 FM e acompanhe! Se você não conseguiu acompanhar o especial de hoje, ouça a matéria completa aqui.

    Confira a importância de se vacinar em cada fase da vida:

    Recém-nascidos

    Ao nascerem, os bebês ficam expostos a centenas de vírus e bactérias e o sistema imunológico deles ainda é imaturo e frágil, que os deixa mais suscetíveis a doenças e infecções. Hepatite B, influenza e poliomielite são algumas enfermidades graves que impactam a saúde dos recém-nascidos e que podem ser prevenidas com vacinação.

    Infância

    Nesta fase, é importante que crianças de até dez anos de idade recebam o primeiro grupo de vacinas e as de reforço para evitar o aparecimento de doenças. Devido à maior exposição na escola, onde acontece o contato com um número maior de pessoas, e com o sistema imunológico ainda em desenvolvimento, as crianças podem estar mais propensas a contrair infecções e enfermidades. Difteria, coqueluche, tétano e influenza são algumas das doenças que podem ser evitadas se as crianças forem vacinadas de acordo com o calendário vacinal.

    Adolescentes

    Os adolescentes são o grupo com maior chance de ser afetado pelo vírus meningococo, que provoca a meningite meningocócica. A doença pode causar sequelas como perda de visão, audição e de membros e ser fatal. O reforço da vacina ocorre, inclusive, entre os 11 e 14 anos e pode reduzir o risco de transmissão da doença para outras pessoas não protegidas. É também nessa idade que pode ser administrada a vacina contra o HPV, vírus que pode causar câncer de colo do útero nas mulheres adultas.

    Adultos

    Protegidos, os adultos podem evitar a transmissão de doenças a seus familiares e colegas de trabalho. Outro ponto é que infecções tendem a piorar o quadro clínico de doenças crônicas.
    Gestantes também devem ficar atentas, uma vez que também são mais suscetíveis a complicações por terem um sistema imunológico mais deficiente do que outros indivíduos. Vacinas contra gripe, hepatite B e tétano são indicadas na fase adulta, dependendo da condição vacinal de cada pessoa.

    Idosos

    As doenças podem causar mais complicações e até serem letais em idosos, que possuem um organismo mais suscetível e debilitado do que as outras faixas etárias. Considerados parte do grupo prioritário em campanhas nacionais de vacinação, os idosos são, por exemplo, as principais vítimas da influenza. Além disso, a vacinação desse grupo é estratégica para a saúde pública, por permite aumentar a qualidade de vida dessa população.

    Foto: Divulgação